Ver programação
WhatsApp

12 9 9147.9469

São Jose dos Campos- SP
Com fim de adesão a PDV, Embraer prepara cortes - Alternativa Fm

Cidades

15/09/2016 às 09h52 - Atualizada em 15/09/2016 às 09h52

Com fim de adesão a PDV, Embraer prepara cortes

administrador
São Paulo - SP

Foto: Claudio Vieira / OVALE

A Embraer encerrou ontem a adesão ao primeiro PDV (Plano de Demissões Voluntárias) da companhia desde que a empresa foi privatizada, em 1994. Os trabalhadores tiveram 23 dias para se cadastrar no programa, que foi aberto em 23 de agosto. Não haverá prorrogação do prazo. A Embraer não informou quantos aderiram.

A fabricante vai analisar os pedidos e definir aqueles que serão efetivados. A análise vai até 23 de setembro. As demissões começarão na primeira semana de outubro. A Embraer vai pagar indenização de 40% do salário nominal por ano trabalhado na empresa para cada empregado desligado pelo PDV, além das verbas rescisórias.

Será garantido o pagamento mínimo de dois salários nominais. O funcionário demitido terá um salário inteiro de indenização para cada dois anos e meio de trabalho. O valor vai ser isento de impostos. A medida pretende economizar US$ 200 milhões (cerca de R$ 650 milhões) por ano e inclui seis meses de assistência médica e odontológica e orientação para recolocação ou aposentadoria.

Por meio da assessoria de imprensa, a Embraer informou que todas as inscrições serão avaliadas pela empresa, que considerará “o atendimento aos critérios de elegibilidade e a análise, feita pela área, quanto ao possível impacto do desligamento”.

Ou seja, empregados que tenham “função de conhecimento crítico” ou que estejam em postos ou projetos estratégicos poderão ter o pedido rejeitado, caso tenham aderido ao PDV. “Os inscritos serão informados sobre a aceitação da adesão até 23 de setembro”, acrescentou a fabricante.

Protesto. Contrário ao PDV, o Sindicato dos Metalúrgicos enviou representantes na última terça-feira a Brasília para entregar carta ao Ministério do Trabalho e à Casa Civil.
O documento critica as demissões na Embraer. Segundo o vice-presidente Herbert Claros, a empresa “recebe auxílio do governo e agora tem que garantir o emprego, como contrapartida”.


Por Xandu Alves

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 83 VEZES

Comentários

Veja também

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
contador grátis